Papel do gestor: do que um líder precisa? | Max Satiro

papel-do-gestor-Max-Satiro

O papel do gestor dentro de uma empresa está relacionado principalmente ao gerenciamento de ações e pessoas em busca de um resultado. Entretanto, essa definição simples não traduz exatamente como esse profissional atua — ou deveria agir —, para executar o seu trabalho. Por isso, hoje gostaria de compartilhar um pouco da minha experiência como CMO da V4 Company.

Afinal, chegar até resultados estratégicos, dependendo do desempenho de terceiros, é mais difícil do que podemos imaginar. Assim, vamos abordar algumas dicas que entendo como fundamentais para todo profissional que busca gerir e ser visto como uma liderança

1. Um bom líder precisa buscar informação

Um bom líder nunca vai agir no impulso, sem analisar as situações como um todo. Mas para isso, é necessário que ele esteja sempre bem munido de informações que tornem suas ações e decisões mais racionais. 

Assim, posso dizer que existem dois tipos de informações que um gestor deve se preocupar em buscar: as informações internas e externas

Primeiramente, falando de informações internas, estamos nos referindo à busca do líder pelo entendimento de qual o problema do presente que precisa ser resolvido. Ou seja, entender quais são as necessidades internas que precisam de uma resolução.

Dessa forma, chegamos às informações externas, que nada mais são que a busca por tendências de fora. Assim, é possível coletar e filtrar informações, entendendo como elas podem ser aplicadas dentro da sua realidade.

Uma indicação dentro dessa dica é o livro “High Output Management”, que afirma que o conhecimento alavanca. Ou seja, traz o conceito sobre “alavancagem” e trata de como ter mais resultados com o mesmo ou menos esforço

2. Tomar decisões

max-satiro-cmo-v4-company
Max Satiro – CMO e Equity Partner da V4 Company

A segunda dica diz respeito diretamente ao papel do gestor estar na tomada de decisões desse profissional. Para isso, uma boa indicação de leitura é o livro “The Bezos Letters”, que explica que devemos sempre separar as decisões One-Way-Dor das Two-way-dor. Mas o que são elas?

Decisões One-Way-Dor

As decisões de porta única são aquelas que você deve exigir muito esforço paraexecutar, afinal, ela é irreversível. Essas decisões geralmente são decisões estratégicas que exigem uma quantidade razoável de informações e deliberações. Felizmente, as decisões de porta única geralmente não precisam ser apressadas.

Decisões Two-Way-Dor

Já as decisões de porta dupla são aquelas que você pode reverter facilmente. Se eles não funcionarem como planejado, você pode revertê-las e tentar outra coisa. 

Como essas decisões não trazem muitos riscos, você pode tomá-las rapidamente. Assim, se eles acontecerem com bastante frequência, você pode até automatizá-los para poder concentrar sua energia em outras decisões.

Agora, ainda sobre a tomada de decisões, posso indicar novamente o livro “High Output Management”, em que aponta as decisões como resultado de um processo estruturado por seis perguntas:

  • Qual decisão é necessária?
  • Para quando essa decisão será necessária?
  • Quem deve ser consultado?
  • Qual o responsável por tomar essa decisão?
  • Quem a ratifica ou a vetará?
  • Que pessoa precisará ser informada?

Assim podemos adotar o que conhecemos como Técnica de Priorização. No meu caso, uma ótima técnica que gosto de utilizar é o ICE Score. Essa é uma metodologia voltada para associar pontuações a demandas e apontar qual delas é prioritária na rotina dos times de Marketing Digital.

3 .Ser mentorado e mentorar

A terceira dica para entender de fato o papel do gestor está no ato de mentorear e ser mentorado. Afinal, como falamos anteriormente, é indispensável estar sempre em busca de informações, e estas podem vir através de uma mentoria.

Além disso, ser um mentor possibilita que você compartilhe aprendizados com pessoas que buscam trilhar um caminho parecido com o seu. E um bom líder é aquele que busca ajudar todos a escalarem suas ambições. 

Assim, existem algumas perguntas que você precisa entender nesse quesito: 

  • Como escolher um mentor? Encontre a pessoa que está onde você deseja chegar;
  • Como ser um bom mentorado? Escutando atentamente, filtrando as informações e executando o plano;
  • O que você está escutando? Curadoria é o segredo de grandes resultados;
  • Quem você está ensinando? As pessoas que você ensina dizem muito sobre você. 

4. O líder tem o dever de compartilhar conhecimento

Compartilhar conhecimento é mais uma função que é indispensável dentro do papel do gestor. Afinal, se não estamos buscando que nossos liderados aprendam e evoluam, como vamos exigir que eles se desenvolvam e entreguem o melhor de si? 

É por isso que Daniel Goleman defende a ideia de que existem 6 perfis de liderança

  • Coercitivo – exige que só façam o que ele manda;
  • Visionário – busca que seus liderados acompanhem seus passos;
  • Afetivo – coloca sempre as pessoas em primeiro lugar;
  • Democrático – pergunta e ouve a opinião dos liderados antes de tomar decisões;
  • Modelador – o famoso “faça o que faço”, busca liderar pelo exemplo;
  • Treinador – propõe experimentações para que os liderados aprendam. 

Assim, é possível entender que o conhecimento é essencial para uma equipe se desenvolver. E para o gestor, basta escolher qual o tipo de liderança ele acha mais conveniente para passar esses ensinamentos da forma que esses profissionais aprendam corretamente. 

5. Empurrar e cobrar

Nesse ponto, o papel do gestor é entender a diferença entre esses dois conceitos: empurrar e cobrar. Afinal qual é a melhor maneira de esperar resultados positivos da sua equipe?

Bom, no que diz respeito a liderança, podemos entender da seguinte forma: 

Empurrar 

O empurrar nesse sentido não é algo negativo. Ou seja, é uma forma de gerar competição, delegando tarefas e estimulando a meritocracia. Assim, é possível criar uma reputação a ser defendida, induzindo os liderados a exercerem suas funções em busca de melhores resultados. 

Cobrar

Muitos líderes confundem o senso de urgência com o senso de emergência. Emergência é aquilo que se alguém não fizer a empresa pode falir. Ou seja, trabalhar sobre o senso de emergência é loucura e só faz com que qualquer profissional busque apagar incêndios mirando nas chamas, e não no foco do fogo. 

Um líder sabe ter senso de urgência, pois, quando se trata da urgência chega-se ao foco evitando que a emergência aconteça.

“O sucesso gera complacência. A complacência gera o fracasso. Só os paranóicos sobrevivem.”

6. Falar com seus clientes

Sim, o papel do gestor também é lidar com os clientes, mesmo que “essa não seja sua função direta”. Afinal, para quem busca o crescimento da empresa, isso não existe. 

Assim, imagine se a sua remuneração fosse atrelada ao churn? Você começaria a se preocupar com os clientes mesmo não sendo o profissional de frente para lidar com eles, não é mesmo? 

Dessa forma, um líder busca escutar e entender as dores dos seus clientes, procurando sempre implementar melhorias incrementais. Afinal, pensar em um produto ou serviço sem entender os desejos dos seus clientes é criar um produto ideal para a empresa e não para o usuário. 

Esse é o ponto necessário para começar a valorizar ainda mais cada cliente e se colocar à frente de quaisquer situações em que esse demonstra alguma dor. 

7. Vender também é papel do líder

O papel do gestor é vender. Quer um exemplo? O livro de Fabrício HoeppersJesus O Maior Vendedor que Já Existiu” mostra exatamente isso. 

Afinal, é só pensar nas etapas de vendas: Jesus e sua equipe prospectaram e ainda prospectam como nunca. Estão sempre à procura de novos seguidores, pessoas dispostas a viver e a divulgar sua palavra.

No exército de vendedores da palavra de Deus sempre cabe mais um. Cristo abordava seus clientes com um sorriso no rosto, voz suave e serena. Contava parábolas e fazia se entender com o seu público. 

É possível até imaginar como era difícil argumentar com aqueles que se fechavam para seus ensinamentos. Mas Ele lidava com as objeções ouvindo atentamente seus interlocutores. Jesus sabia que em uma negociação o bom ouvinte é quem a conduz.

Entretanto, o que isso quer dizer? Simples: é preciso entender os outros e a importância do relacionamento. Assim, um gestor precisa buscar a paixão necessária para que as coisas deem certo. Ou seja, é necessário persistir até o sucesso, ser único, estar sempre se desenvolvendo, controlando suas emoções e tendo fé.

8 .Estimular e proteger boas ideia

Boas ideias são raras, e por isso é preciso protegê-las. Dessa forma, é papel do gestor deixar isso claro para sua equipe. Além disso, não quer dizer que só boas ideias devem ser estimuladas, mas ideias no geral. 

É através desse estímulo que surgem erros e acertos. Assim, é importante entender os acertos como algo precioso, e os erros como a mais pura ferramenta de aprendizado

Por isso, o gestor precisa incentivar e proteger ideias, mostrando que é importante saber pelo que lutar. Afinal, entendendo isso, toda a equipe só tem a ganhar. 

9. O líder precisa ser um exemplo

Por último, é importante entender que um gestor que passa o tempo de trabalho fazendo ligações pessoais provavelmente não motivará sua equipe. 

Por outro lado, um gestor que trabalha de forma inteligente, realmente demonstra que se importa com o resultado do seu time. Dessa forma, expondo como ele pode afetar o resultado da empresa e ser um grande exemplo a ser seguido.

O papel do gestor não é para qualquer um

Entender o papel do gestor não é algo fácil. Por isso, bons líderes ainda são raros de se encontrar no mercado. É necessário assumir erros que não são seus, demonstrar empatia, executar ações que fogem da sua área de atuação e saber incentivar da forma certa. Além disso, sempre buscando formas de informar e manter-se informado. 

Isso quer dizer que apenas ser bom em algo não é mais garantia de um cargo alto em uma grande empresa. É necessário entender o papel do gestor como um todo, tornando-se um líder de forma natural. Ou seja, sendo visto como um líder sem precisar afirmar isso nenhuma vez. 

Quer saber mais sobre liderança e o papel do gesto? Então dá uma olhada no conteúdo “Do Zero à CMO”, em que eu, Max Satiro, conto um pouco da minha história e o que eu fiz para ser líder do time de marketing da maior assessoria de marketing digital do Brasil.

Deixe seu Comentário