10 DICAS VALIOSAS PARA FAZER MARKETING DIGITAL EM 2021 (mesmo que você seja iniciante nisso)

De repente, a internet está lotada de conteúdo sobre marketing digital. Para qualquer lado que olhamos vemos “Estratégias de mkt digital”, “Como fazer marketing digital” ou “O que é e como fazer mkt digital”.

Como separar aquilo que é interessante, daquilo que é só mais do mesmo? De uma simples pesquisa no Google saltam aproximadamente 3.340.000.000 resultados.


No Google Adwords vemos a frequência que as palavras “marketing digital” foram buscadas:

Média de pesquisas sobre Marketing Digital no Google

Apesar da queda em novembro, o assunto surge novamente em janeiro e fevereiro de 2021:

Marketing Digital no Google no período de um ano.

Por que será que o assunto domina tantas buscas e aparece em tantas páginas?

Deve ser porque ele é essencial, de alguma forma, para as pessoas que navegam na internet.

Quem navega na internet? Todo mundo.

A porcentagem de pessoas conectados à internet hoje, que tem um smartphone, é de 87% (Fonte: Global Web Index).

E é nos smartphones que elas interagem, compram comida, roupas, se divertem, escutam músicas, buscam informação, fazem cursos… e pesquisam por marketing digital.

Porque o marketing digital faz vender. E todo mundo que vende, quer vender mais, ou seja, todo mundo precisa de marketing digital, inclusive você, se chegou até aqui.

QUAL A DEFINIÇÃO DE MARKETING DIGITAL?

De forma simples, pode-se dizer que o marketing digital é uma estratégia de marketing executada dentro de meios digitais, para vender um produto, uma marca ou até uma pessoa.

Simples e acessível, ou seja, eu recorro ao marketing digital se eu quiser vender alguma coisa.

MAS QUANDO SURGIU O MARKETING DIGITAL?

Algumas referências defendem que o surgimento do marketing digital foi quando surgiu a internet, ou seja, pelos anos 90.

O desejo de vender já existia, ele apenas se apoderou do meio.

Outras referências defendem que foi pelos anos 2000 mesmo, quando a internet já estava mundialmente consolidada.

Mas se você está lendo esse artigo em 2021, talvez o marketing digital tenha nascido pra você em 2021 mesmo.

E não há problema nenhum nisso.

  • Talvez somente agora você tenha um produto que queira vender e antes não precisasse de estratégias de marketing.
  • Talvez você tenha um produto há anos conhecido e estabelecido no mercado, a ponto de conseguir vender sem utilizar a internet, mas agora quer entrar nesse mundo e aproveitar a demanda.
  • Pode ser que antes disso você tivesse contratado alguém para fazer o marketing do seu produto e agora quer entender melhor como funcionam as estratégias.
  • Ou talvez você seja um estudante de marketing buscando conhecimento além do que a faculdade pode oferecer a você.

Independente de quem você seja, esse é o lugar perfeito para aprender sobre marketing digital.

POR QUE VOCÊ PRECISA DE MARKETING DIGITAL?

Todo mundo precisa de marketing digital. Se os dados acima não foram convincentes o suficiente, você pode parar de ler agora. Mas se você já está 97,3% convencido, eu posso te ajudar a se convencer 100%.

Você pode ser advogado, dentista, padeiro, ou até presidente: para todas as ocupações é necessário obter sempre melhores resultados. Do contrário, você vai ficar pra trás.

Os números que mostrei lá em cima sobre pesquisas no Google refletem também o que o seu concorrente se interessa.

E esse é o pulo do gato.

Cada dia que você deixa de saber e/ou investir em marketing digital pode representar seu concorrente cortando a faixa antes de você na linha de chegada que é o cliente.


Por isso pegue um café, papel e caneta, e prepare-se para aprender 10 dicas valiosas de como fazer marketing digital em 2021mesmo que você seja iniciante.

  1. O que é marketing digital
  2. Vantagens de fazer marketing digital
  3. Métricas de marketing digital
  4. Estratégias de marketing digital
  5. Ferramentas de marketing digital
  6. Exemplos de marketing digital
  7. Como criar um plano de marketing digital
  8. Cursos de marketing digital
  9. Como trabalhar com marketing digital
  10. O que não fazer no marketing digital

Sua viagem pelo marketing digital acaba de começar!

Marketing digital só é marketing quando vende o produto do cliente.

Sergio Zyman

1. O que é marketing digital?

O que podemos definir como marketing digital?

Essa é uma das definições mais conhecidas de marketing digital. Ok, para quem conhece tudo isso, é fácil entender. Mas quem nunca ouviu falar de SEO, mídia paga etc pode ficar um pouco confuso.

Sobre isso nós vamos falar mais pra frente. Por enquanto, você precisa saber que marketing digital sempre tem o intuito de vender algum produto, quer seja o seu, quer seja o do cliente que você atende.

Quando a venda não acontece, o marketing falhou. É preciso revisar as estratégias utilizadas e até considerar as que deixaram de ser aplicadas.

2. Vantagens de fazer marketing digital

Os benefícios de investir em marketing digital são inúmeros, mas é possível elencar alguns com base na nossa experiência fazendo marketing há quase 10 anos:

  • comunicar melhor com seu público
  • ter um relacionamento melhor com clientes
  • encontrar clientes mais qualificados
  • realizar a venda para esses clientes
  • alongar o relacionamento com clientes para que eles voltem a consumir seu produto
  • salientar os diferenciais da sua empresa
  • aumentar o nível de consciência do mercado sobre o seu produto
  • aumentar o nível de conhecimento sobre a sua marca
  • e por fim, aumentar a rentabilidade da empresa.

Tudo isso serve para pequenas empresas, grandes empresas, microempreendedores individuais… TODO MUNDO PODE SE BENEFICIAR DO MARKETING DIGITAL.

Na verdade, estar em 2021 e ainda não fazer marketing digital é ir na contramão de tudo isso que eu listei acima.

Em 2021, se você não estiver na internet, você não vai vender.

Parece complicado e definitivo?

Não se preocupe. Continue lendo e você verá que não é difícil. É preciso, sim, dedicação e interesse além do tempo envolvido, mas os resultados são e podem mudar o seu negócio para sempre.

3. Métricas de marketing digital

Uma das coisas mais importantes que o marketing digital oferece como benefício é a chance de medir crescimento através de métricas atualizadas diariamente.

Métricas são dados gerados através da captação e gestão constante de números relativos ao desempenho do seu negócio. Parece difícil, mas não é.

Por exemplo: se você possui uma loja de roupas infantis e já percebeu que as vendas aumentam perto do natal e do dia das crianças, então você já está avaliando uma métrica.

O diferencial de poder fazer com base nos dados captados através do marketing digital, é que você vai conseguir olhar para esses números de forma estratégica, ao invés de apenas observadora.

Vamos continuar com o exemplo da loja de roupas infantis. Estamos em setembro e você sabe que as vendas aumentam com a chegada do fim do mês e a proximidade do dia 12 de outubro.

Além disso, você também percebeu que a faixa etária que mais gasta na sua loja é dos 35 aos 45 anos e que o público é majoritariamente feminino.

Pronto. Você acabou de usar uma métrica.

Você encontrou o público que mais gasta na sua loja. Essa métrica se chama cohort, e se lê “corrort”. Esta palavra em inglês significa corte, e no marketing digital ela é utilizada para determinar um corte no público.

Para ficar mais claro: você sabe que o seu público varia entre 18 e, digamos, 65 anos, que é 93% feminino, e que são mulheres de classe média.

Esse é o total do público que frequenta seu estabelecimento. Porém, ele é muito grande, e para conseguir resultados melhores dentro desse público o ideal é segmentar.

Nós fizemos uma segmentação etária, ou seja, baseada na idade, e concluímos que mulheres entre 35 e 35 anos gastam mais.

Avaliando esse dado, o correto é supor que as mais jovens não dispõem de recursos financeiros para comprar tanto quanto gostariam, mas que talvez elas pudessem aproveitar uma grande promoção, na época certa.

Com essa análise é possível entendermos que: no momento de criar uma campanha no Facebook, por exemplo, o ideal é separar esses dois grupos e pensar promoções diferentes para cada, sabendo das particularidades de cada um.

Depois de um tempo é possível aprender nessas campanhas de Facebook o que deu certo e o que de errado, otimizando cada vez mais para resultados melhores.

Pronto. Você acabou de aprender o conceito e uma das utilizações da métrica cohort.

E ticket médio? essa provavelmente você já conhece. O ticket médio é a média de valor gasto por um público ou cliente no seu negócio.

A forma de utilizar essa informação de um jeito valioso através do marketing digital, é considerar a criação de campanhas que visem que um público determinado aumente o ticket médio gasto no seu negócio.

Digamos que esse público feminino dos 35 aos 45 anos gaste em média 250 reais na sua loja

A estratégia é aumentar gradualmente a oferta para levá-las a gastar 300 reais, depois 350 e por aí vai.

Você consegue pensar numa promoção assim?

Indo nessa mesma direção temos o LTV. Essa sigla corresponde ao termo Life Time value em inglês, que podemos traduzir como valor do tempo de vida. Fica feio mas faz sentido.

O LTV é usado no marketing digital para saber quanto em média um cliente consome o seu produto durante o tempo de vida que ele compra de você.

Vamos deixar a loja de roupas de lado e pensar que talvez você seja dono ou dona de uma escola de inglês. 

Um aluno regular fica quanto tempo na sua escola? 6 meses, 18 meses, 3 anos? Durante esse tempo quanto ele investe no seu produto? 

Podemos considerar que cada mensalidade custe 100 reais, logo se o aluno médio permanece 18 meses aprendendo inglês, o LTV dele é R$ 1800,00.

Estabelecendo esta base de corte é possível saber, por exemplo, que os alunos que permanecem mais de 18 meses são excelentes alunos, com grandes chances de terminar o curso, e que talvez eles saibam apreciar um incentivo financeiro para concluírem seus estudos.

Ou, que os alunos que não chegam aos 18 meses têm algum motivo relevante para a desistência, e vale a pena descobrir qual é para oferecer uma solução.

Atrelada à métrica de LTV vem o CAC. Esta sigla é fácil de lembrar: custo de aquisição por cliente.

Para cada cliente novo que chega no seu negócio você sabe mensurar quanto gastou para adquiri-lo?

É essencial dominar essa métrica e diminuí-la para o valor mais baixo possível, principalmente se o seu LTV é baixo, e para isso você pode usar várias estratégias de marketing digital.

Viu como é fácil? Alguns minutos atrás você não sabia avaliar as métricas do seu negócio, e agora já domina:

  • cohort
  • ticket médio
  • LTV
  • CAC

Se ficou com alguma dúvida ainda, ou caso queira aplicar mais algumas métricas no seu negócio, eu vou sugerir que você leia estes dois artigos aqui e quando você já tiver mais prática, este aqui.

Absolutamente TUDO!

4. Estratégias de marketing digital

Existem incontáveis estratégias de marketing digital circulando pela internet hoje. Nem todas vão funcionar para o seu negócio, e a melhor maneira é sempre experimentar.

Para que você domine o básico delas, mesmo sendo iniciante, eu recomendo continuar lendo, pois eu vou explicar agora sobre:

  • marketing de conteúdo
  • social selling
  • growth

Marketing de conteúdo 

Basicamente, no marketing de conteúdo você vai contar a que sua marca veio. Qual a história por trás, quais são os objetivos da marca, quem é o público que se interessaria por seus produtos… etc

Tudo isso de forma objetiva, voltada sempre para venda, mas criando uma identidade que sua audiência consiga reconhecer.

Marketing de conteúdo precisa contar uma história

– a da sua própria marca -, e não deve ter nada mais interessante do que falar sobre seu próprio negócio, não é mesmo?

Afinal, foi você quem o criou e com certeza você acredita muito no seu produto.

Por exemplo: se você tem uma pequena farmácia, instalada num dos bairros mais antigos da cidade.

Faz sentido que nas redes sociais da sua loja haja espaço, por exemplo, para mostrar fotos antigas com a evolução da rua e da cidade?

Faz! E o público gosta disso! É através desse tipo de conteúdo que o público se identifica e cria conexão. A conexão coma audiência representa um papel muito importante na hora da venda, mesmo que a longo prazo.

Social selling

O nome já diz, mas para quem não está familiarizado com inglês, o significado de social selling é venda social.

Sim, pode soar estranho, mas o termo nada mais é que: venda realizada através das redes sociais.

O Instagram conta hoje com uma plataforma integrada de venda, que proporciona uma experiência praticamente completa para o cliente.

Se você ainda não tem uma lojinha no Instagram, então corra! 

É essencial ocupar a rede com a sua marca, pois o seu concorrente já está lá.

E se você ainda não está convencido de que essa ferramenta é muito importante para concretizar vendas, eu vou te mostrar que isso é um erro com apenas um link:

Como aplicar social selling no seu negócio.

Growth

Putz, outra palavra em inglês, e essa parece ainda mais difícil… Não é não! Você vai memorizar o significado de growth rapidinho: é crescimento.

Growth nada mais é que aplicar estratégias de crescimento para um negócio alavancar exponencialmente, ou seja, crescer, faturar, lucrar mais.

Em 2021, quem pode se dar ao luxo de dizer que não precisa crescer? Ninguém.

É por isso que você vai aprender muito sobre growth clicando nesse link aqui e vai aprender como negócios tradicionais podem se beneficiar dessa estratégia.

A melhor estratégia para negócios digitais e tradicionais

Sabe a farmácia de bairro que eu mencionei lá atrás?

Sabe o salão de beleza que hoje fica numa salinha apertada mas que tem todo o potencial de se tornar uma grande estética bem localizada?

Ambos podem e devem usar growth como estratégia de marketing digital para crescer mais.

5. Ferramentas de marketing digital

A internet é gigante e as possibilidades são infinitas. Como dominar tudo isso e ainda gerar lucro? Com as ferramentas adequadas.

Se você pensou que seria possível gerenciar tudo isso sem nenhum artifício especializado, eu lamento informar que você se enganou.

Mas vamos por partes e por prioridade: quais ferramentas são realmente necessárias para quem quer fazer marketing digital?

Ferramentas de edição de imagem

Para deixar sua marca na internet e conferir seriedade ao seu trabalho é importante garantir que a parte estética esteja dominada. 

O pacote Adobe oferece as 3 ferramentas mais conhecidas: Photoshop, Illustrator e Indesign.

Você não precisa se tornar um designer gráfico, mas saber o básico é interessante.

Se essa realmente não é a sua praia -ou o seu orçamento-, o Canva se torna uma opção mais acessível e fácil de operar, com possibilidades finitas porém satisfatórias.

Certifique-se de escolher a melhor opção dentro do valor que você pode dedicar a isso, mas considere também o tempo envolvido na operação da ferramenta.

Investir tempo demais tentando criar o post perfeito pode ser contraproducente.

Ferramentas de edição de vídeo

De novo, quem brilha aqui é o Adobe Première, o After Effects e o Final Cut, todos da Adobe.

Mas, como sempre, é possível encontrar alternativas acessíveis e praticáveis no mercado, como o Wondershare Filmora.

Com filtros prontos e de fácil operação, esse programa consegue se sustentar como uma opção bem viável no mercado.

Ferramentas de áudio

O vídeo quase sempre vem acompanhado da necessidade do áudio. Certifique-se de nunca escolher trilhas com direitos autorais para não vir a enfrentar um processo no futuro.

Existem bons sites para trilhas grátis e alguns com 7 dias para testar:

Investir tempo em escolher uma boa trilha pode mudar todo a sua campanha.

Não precisa dominar, mas precisa conhecer!!

Ferramentas de gestão de e-mail marketing

Você não apenas vai precisar apenas de um email marketing para engajar seus clientes a comprarem novamente, como também vai precisar de uma plataforma que consiga oferecer essa gestão.

  • O MailChimp é uma das plataformas mais conhecidas, e ela realmente oferece várias opções interessantes, principalmente para quem é iniciante.
  • Se você não tem problemas com inglês, uma opção válida é o Keap: pois ele conta com várias opções de integração entre plataformas além de taxas de abertura e testes A/B.

Ferramentas de análise

Algumas redes sociais já oferecem análises comparativas dentro da própria plataforma para que você fique de olho no andamento do concorrente.

Isso é essencial, e nós vamos entender por que mais pra frente. Por hora você precisa saber que nem sempre vai poder contar com essa análise integrada, e aí vai usar o Google Analytics para isso.

Para monitorar tráfego, origem do tráfego, caminho dos usuários pelo seu site etc… tudo isso pode ser feito com um Google Analytics bem organizado, e é essencial que você saiba tudo sobre quem chega até você.

Quem não mede, não gerencia.

Ferramentas de automação

Para automatizar alguns processos, quando a operação já se tornou grande demais e corre o risco de se tornar bagunçada, duas ferramentas podem fazer a diferença:

Pipefy – para organizar leads, clientes e demandas, essa plataforma criada por uma brasileiro entrega boa usabilidade

Clicksign – para automatizar a geração de contratos e facilitar a vida do seu cliente na hora de assinar o contrato!

Ferramentas de gestão de tarefas

Quando é preciso coordenar uma equipe, com entregas e demandas, é necessário distribuir bem as tarefas e ser capaz de gerir tudo isso.

Ferramentas que podem ajudar, dependendo das suas necessidades:

Mesmo para quem não possui uma equipe ainda, esse tipo de ferramenta pode ser usado individualmente. 

Contas a pagar? Postagens a fazer? Informações que precisam ser rapidamente acessíveis?

Tudo isso fica mais fácil com um software de gestão. Vale testar cada uma e decidir qual delas se aplica melhor para a sua necessidade, ou se uma combinação de várias é a opção adequada.

Ferramentas de gestão de redes sociais

Talvez você pense que essas ferramentas sejam um gasto desnecessário, frente outras coisas mais importantes, mas quando você compreender que a automação que elas oferecem lhe garante mais tempo livre, isso se torna um investimento.

Essencialmente, o trabalho dessas ferramentas é organizar de forma visual todas as suas postagens em várias redes sociais diferentes, permitindo não só a automação, mas também um olhar mais macro para a sua produção.

6. Exemplos de marketing digital

Você utiliza redes sociais? Espero que pelo menos uma, mas acredito que utilize várias.

Você acompanha Big Brother? Não tem problema se a resposta for negativa, mas se você estiver lendo esse artigo entre março e maio de 2021, já deve ter ouvido falar de Fiuk, Carla, Juliette…

Sim, Juliette. A sister conseguiu reunir não só uma legião de mais de 15 milhões de seguidores no Instagram, como também uma equipe de peso para gerir toda essa demanda.

Neste momento, Juliette mantém uma média absoluta de engajamento de 7,6% em suas redes sociais.

Parece pouco? Compare com Anitta: 1,7%, ou com Beyoncé, 1,2%. E Ivete Sangalo? 0,7%. Isso mesmo. Não adianta a base ser grande se o engajamento for baixo.

A porcentagem chamou tanto a atenção, que Anitta se pronunciou: “Quem é que faz as redes sociais da Juliette, hein? Quero pra mim também. Fod*s pra cara* que nem a dona”, disse a cantora.

Independente da volatilidade da métrica, tal feito vai garantir à participante, se não o prêmio principal do programa, pelo menos várias colaborações com marcas que vão engordar contratos, de olho nas possibilidades de ter a sister à frente de suas campanhas.

Pode parecer trivial, mas ser notado por quem domina o ramo (Anitta) é um feito de grande porte, principalmente para uma pessoa que não vem do “showbizz”.

Quer dar uma olhadinha no engajamento da moça?

Número de seguidores no Instagram em 22 de março de 2021

Que tal 29 mil comentários numa única publicação?

Quem sabe 40 mil comentários?

Nós sabemos que curtidas, comentários e etc são métricas de vaidade e é muito difícil mensurar vendas através desses números, mas é preciso admitir que esta equipe sabe o que está fazendo, não mesmo?

Anitta que o diga.

Apesar de ter mais que o dobro em número de seguidores, o engajamento dela é visivelmente inferior.

7. Como criar um plano de marketing digital

Agora que você já sabe o que é marketing digital, as vantagens, métricas, estratégias e ferramentas para dominar essa área, e já viu exemplos do que fazer, é hora de colocar a mão na massa!

Um plano de marketing digital serve para colocar o olhar a longo prazo e conseguir executar no dia-a-dia aquilo que vai fazer diferença lá na frente.

Além disso, o melhor remédio para ansiedade, é o planejamento. Ele também permite que você identifique e aja com mais rapidez para conter possíveis erros ou deslizes.

Por onde começar, então, a criar um plano de marketing digital?

Pelos objetivos e metas que fazem mais sentido para você

Quais são os objetivos e metas que você pretende alcançar com o marketing digital da sua empresa, marca ou cliente?

É importante salientar que estes objetivos devem ser sempre S.M.A.R.T.:

SMART é a sigla em inglês para Specific, Measurable, Achievable, Relevant e Time-bound.

Ou seja, Metas e objetivos SMART são aqueles que são Específicos, Mensuráveis, Alcançáveis, Relevantes e Delimitados em um recorte de tempo.

Em outras palavras, se hoje seu Instagram tem mil seguidores, não é uma meta SMART estipular que ele atinja 10 mil seguidores em 3 meses, por exemplo.

Pode parecer tentador mirar sempre alto, mas isso pode gerar a sensação de incapacidade.

Nesse caso, uma meta SMART é um aumento de 30%, ou seja, para 1300 seguidores.

Se no momento o seu ticket médio é 500 reais, a meta SMART é R$ 650,00.

Escolhas as métricas que vão lhe ajudar a medir esse crescimento esperado

Antes de medir crescimento vem a definição de quais números medir.

Baseado nas metas que você estabeleceu, quais métricas vão ajudá-lo a chegar lá?

Se você tem dúvida ainda sobre quais as melhores métricas dentro do cenário do marketing digital fazem mais sentido pro seu negócio, eu recomendo que você volte no item “métricas” e aprenda tudo sobre.

Defina o comprador único do seu produto: o José, a Maria, a Inês, o Fábio…

No marketing digital muito se fala de Persona , público alvo etc…

Essas ferramentas ajudam a formar uma ideia genérica de pessoa que seria o comprador ideal do seu produto.

Mas nós queremos propor algo diferente aqui.

Esqueça a persona e o público alvo, eles baseados em dados, e dados não compram seu produto, pessoas sim.

Identifique uma pessoa, um comprador, que seja aquele que vai consumir o seu produto com certeza, pois seu produto é a solução para os problemas dele(a).

Defina o José. Defina a Maria. Assim que definido, você vai falar somente com eles! Você não vai mais se direcionar a um grupo genérico de pessoas que têm um interesse em comum.

Você vai falar sempre com o José, ou sempre com a Maria. Como fazer isso? Responda 3 perguntas simples:

  1. liste as duas características mais importantes desse avatar que você está criando que se relacionam com o seu negócio ou produto.
  2. saiba qual o DNA do seu conteúdo, e como ele vai ser a solução para os problemas do José (ou da Maria…)
  3. Identifique o medo do José. O que deixa ele acordado à noite? Você precisa ter a solução pra isso.

Com estes 3 itens em mãos, você está pronto para comunicar da forma mais certeira possível com o José ou com a Maria.

Organize um planejamento trimestral que coloque em prática tudo isso

Faça as previsões para ser capaz de colocar em prática, organize o tempo médio para cada demanda.

O marketing digital da sua empresa não pode ser algo feito nos horários de lazer. Ele é uma tarefa do seu dia-a-dia tanto quanto lidar com fornecedor, programar pagamentos, entrevistar candidatos, criar um novo produto…

Quando o marketing fica relegado em importância você vê o reflexo nas vendas mas não percebe. Aí acaba trocando o vendedor, contratando mais, gastando muito…

Quando na maioria das vezes o que falta é planejamento e visão macro.

8. Cursos de marketing digital 

Eu entendo que tudo isso possa soar fantasioso para quem nunca executou marketing, e mesmo para quem já executa há algum tempo mas de forma tradicional.

O que é preciso compreender é que o marketing digital muda todos os dias, e uma hora ou outra você vai se confrontar com a dura realidade que é ficar pra trás, caso não se atualize.

Pensando nisso, a V4 Company está lançando o livro Cientista do Marketing Digital.

Com uma abordagem de fácil compreensão, o livro é um curso completo que passa pelas bases do marketing, como vendas e atendimento, imerge no Método V4 e culmina nas ferramentas mais importantes para quem quer dominar este ramo.

Tudo isso escrito pelo próprio Dener Lippert, que aproveita e fala sobre o surgimento da V4 Company, como a empresa começou do zero e como logo chegará na marca de 1500 clientes ativos.

Lendo o livro você vai dominar:

  • fundamentos do marketing digital
  • Método V4
  • ferramentas de design, criação de landing pages, trackeamento, Google Ads, Facebook Ads, integração com WhatsApp etc

Conteúdo escrito por quem vivencia e cria o marketing digital todos os dias, na maior assessoria de marketing do Brasil.

Entenda melhor sobre esse curso em formato de livro e como você tirar o máximo proveito dele lendo este artigo aqui.

O livro mais esperado de 2021 – marketing digital para iniciantes

Conheça também Dener Lippert, fundador e CEO da V4 Company, criador do Método V4 e escritor do livro e professor do curso Cientista do Marketing Digital, aqui.

9. Como trabalhar com marketing digital 

Essa pergunta tem duas respostas possíveis e nenhuma delas é a que você espera:

  1. aprendendo sozinho e na prática quais as melhores estratégias para dominar o marketing digital
  2. se tornando um Cientista do Marketing com o curso de melhor curso de marketing digital disponível hoje no mercado

Se você pensou em responder “estudando marketing na faculdade”, sua resposta já se formou defasada na sua cabeça.

As faculdades, por mais que possam fornecer conhecimento consolidado, estão pouco preparadas para lidar com o novo e mudar com a velocidade que o mercado exige.

Você prefere dirigir uma Ferrari ou um fusca no trânsito de São Paulo? Aposto que a sua resposta vai na direção da primeira opção, e é pra isso que a faculdade prepara você.

“Hoje vamos criar uma campanha pra Coca-Cola.” 

“Vamos analisar e replicar essa campanha da Havaianas”.

Essas são as Ferraris, mas na vida real, o seu negócio não é a Coca-cola, que dispões de milhões de reais para viabilizar uma campanha.

Às vezes você tem um total de R$ 500,00 pra investir em Google e Facebook e produzir o material gráfico, ou seja, nada disso se compara ao orçamento das gigantes.

É preciso aprender estratégias e ferramentas que funcionem para o seu caso, não para o cenário ideal.

É isso o que o Cientista do Marketing vai entregar pra você: cenários reais, ferramentas que você mesmo pode aprender a operar, e linguagem acessível, por uma fração do que você gastaria num curso de graduação em marketing digital.

10. O que não fazer no marketing digital

A primeira coisa que você NÃO pode fazer é deixar de investir em marketing digital.

Empresa que não investe em marketing, morre, mas acho que você já entendeu isso, pois chegou até aqui na leitura.

A segunda coisa que você não pode fazer é deixar de atender seus clientes. Um mau atendimento retorna mais do que um bom atendimento, principalmente em tempos de redes sociais.

Remediar o erro depois é muito mais custoso e difícil do que preveni-lo.

Um terceiro erro importante é: achar que você é o seu público. Esse erro pode ser crucial pois ele interfere em várias ações que você for tomar.

Se você não conhece seu público, não tente suprir as lacunas com informação sobre você mesmo.

Utilize as próprias redes sociais para conhecer seu público e interagir com ele. Abra caixinhas de perguntas no Instagram – elas são  gratuitas (!!!) e uma ótima forma de entender a audiência enquanto interage com ela!

Quer mais exemplos de quando o marketing digital pode falhar? Então leia este artigo.

E por fim: se você achar que a tarefa é complicada demais, não hesite em confiar em quem sabe fazer marketing digital há quase 10 anos.

Entre em contato com a V4 Company para saber como podemos ajudar o seu negócio a vender mais, vender mais vezes, vender para mais pessoas e vender pelo maior valor.

Deixe seu Comentário

Posts Recentes

O que a V4 faz?

V4 Company é uma Assessoria de Marketing Digital que aprimora e potencializa o seu processo de vendas pela internet. Através de um método testado com mais de 1000 clientes, e em quase 10 anos de história, nós chegamos num sistema que pode ser aplicado para qualquer tipo de negócio.

Com mais de 130 escritórios pelo país e em plena expansão, 2021 promete ser o ano em que vamos bater o nosso recorde de mídia investido: R$ 24 milhões de reais.

Você pode ser mais um dos nossos clientes satisfeitos. Não importa qual o seu negócio, a V4 Company tem o método que funciona pra você. Faça como nossos grandes ou pequenos clientes (Spotify, academias de bairro, padarias…): confie no método de assessoria de marketing da V4 e veja seu negócio explodir em vendas.